<< Voltar

Olímpiadas


Olimpíadas – Restrições ao tráfego de veículos de cargas

Tendo em vista a aproximação das Olimpíadas e Paraolimpíadas no Rio de Janeiro, divulgamos as informações que nos foram enviadas pela Empresa Olímpica Municipal (EOM), referentes a todas as restrições que serão colocadas em prática, conforme abaixo e arquivos anexos.

As propostas da Prefeitura são as seguintes:
- Atualmente, já existe um polígono com restrições à distribuição de cargas na cidade: área de cerca de 205 km², onde é impedida a circulação de cargas e operações de carga e descarga nos períodos de 6h às 10h e de 17h às 21 horas.

Plano de restrições à distribuição de cargas
- A Prefeitura propõe a expansão do polígono, incorporando as regiões da Barra da Tijuca e Jacarepaguá, chegando até Deodoro. Nele, valeriam as mesmas regras do polígono atual.
- Sua implantação foi proposta para o início de julho até o encerramento das Paraolimpíadas, no dia 18 de setembro (80 dias).
-Serão implantadas Faixas Olímpicas com três tipos de classificação para facilitar o deslocamento das delegações pela cidade:
*Dedicadas – uso exclusivo da “família olímpica”;
*Prioritárias – uso compartilhado com ônibus e táxis, uso da faixa BRS, quando possível;
*Compartilhadas – circulação compartilhada com o tráfego de demais veículos.
- Segundo a EOM, a implantação das faixas torna necessária a restrição ao transporte de cargas, nas respectivas vias.
- Restrição do tráfego de navios na Baía de Guanabara entre 11h e 18h por mais de 40 dias, entre períodos de treinamentos e competições.

Funcionamento do Porto do Rio de Janeiro
- Proposta de restrição à circulação de caminhões na Avenida Brasil, entre a altura do Viaduto de Realengo e a Av. Francisco Bicalho, nos períodos de 6h às 10h e 16h às 21 horas. - Ao contrário da restrição que vigora no polígono, haveria a possibilidade do uso de veículos menores para o transporte de cargas. Ainda não há definição sobre o tamanho máximo a ser permitido. No entanto, essa possibilidade não atende plenamente aos operadores portuários, por conta da dificuldade do transporte de cargas no período da noite e da alta demanda.
Cabe ressaltar que a FETRANSCARGA, representando os Sindicatos da base territorial do Estado do Rio de Janeiro, está participando das reuniões com a Empresa Olímpica Municipal, como também de um Grupo de Trabalho liderado pela FIRJAN, onde estamos apresentando diversas sugestões para a Prefeitura, no sentido de reduzir os impactos que o TRC sofrerá com todas as restrições apresentadas.

Para melhor ilustrar, seguem, abaixo, as sugestões apresentadas pelo grupo de trabalho que estão sendo analisadas pela Prefeitura:
1 – Adiar o início das restrições ao polígono estendido e à Avenida Brasil para um período mais próximo ao início dos Jogos Olímpicos (última semana de julho).
2 – Liberação da movimentação de cargas em Veículos Urbanos de Carga (VUCs) e Veículos Utilitários de Carga (VUtCs), em toda a área a sofrer restrições.
3 – Durante o período de vigência da restrição da Avenida Brasil, permitir o acesso ao Porto do Rio de Janeiro até as 7 horas. Adequar o segundo horário de restrições de acesso para o período de 17h às 20h e liberar o trânsito, na Avenida Brasil, de caminhões de até 3 eixos.
4 – Implantação do programa Choque de Ordem no bairro do Caju, para garantir que os acessos ao porto não sejam bloqueados por ocupações irregulares.
5 – Reforço do policiamento noturno, pela Polícia Militar, garantindo segurança na janela noturna para recepção e expedição de cargas pelos terminais.
6 – Atuação conjunta (EOM, Prefeitura e Governo do Estado) para garantir, por parte do governo federal, o pleno funcionamento do programa Porto 24 horas.

Fonte: Secretaria geral da Fetranscarga.